terça-feira, 21 de setembro de 2010

A vasculhar

Não quero a idolatria da hipocrisia
Que me olha e não se vê
Nem mesmo meu espelho reflete
O que sou, o que desejo
O anseio, o desespero

Meus olhos imergem em mim mesmo
Afogam-se em minh'alma
Náufraga de sucessivos atos
Mar profundo e bravio
Emergir é necessário

Submarino ser, sem objetivo e meta
Se mete nas profundezas
Vasculha locais profundos demais
Encontra o desconhecido
Descobre-se temido

7 comentários:

  1. Amei a imagem...
    O poema é um pouco mais profundo...acho que esta é mesmo uma expedição sem fim!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  2. Submarino ser, indica a viagem, a expedição.

    Um beijo, Ivan.

    Hey, e estás de mal comigo? Faz tempo que não deixas rastros lá em Vidráguas?

    Carmen Silvia Presotto

    ResponderExcluir
  3. Ivan,

    Lendo teu poema, recordei de palavras de um poeta conterrâneo, destas terras vermelhas de Goias.

    Diz assim: "Tirar as idéias do porto seguro e lançá-las em barquinhos de papel para navegarem em enxurradas de ações."

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Meu blog mudou de endereço, o novo é:
    http://vemcaluisa.blogspot.com/
    :)

    ResponderExcluir