quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Obrigação

Somos obrigados
A gostar do que não gostamos
A eleger os inelegíveis
A crer no que não cremos
A dizer amém
Com falsidade e hipocrisia

Somos obrigados
A nos obrigar ao voto
A nos abrigar do vento
A evitar o sol
Diminuir o sal
E "gostar" de quem desgostamos

Somos obrigados
A ler o que não queremos
A escrever do que não sabemos
A sobreviver ao crime
Sorrir chorando
E secar as lágrimas ao vento

Mas há escapatória
Nessa história que criamos
E vivemos
E corremos
Ao vento, aos prantos
Em meio, também, a encantos

19 comentários:

  1. Às sutilezas que nos salvam!

    Um beijo,
    Doce de Lira

    ResponderExcluir


  2. Ô... briga...ação!

    Muito obrigado IVAN!

    ResponderExcluir
  3. É, escrever nos liberta das amarras do cotidiano.

    Um beijo.

    Carmen.

    ResponderExcluir
  4. E viva os encantos!!
    Gostei!
    bjo imenso!

    ResponderExcluir
  5. Ivan,

    O mundo nos obriga a sermos quem não somos,
    mas com um punhado de coragem e um punhado de vento, os encantos dão seu contraponto

    saudade de passar por aqui,
    tempo corrido me deixou sem tempo,

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Ivan!

    Não me sinto "OBRIGADA" à nada.Segundo a ciência nossa única obrigação é o alimento do corpo e da alma.

    às vezes faz bem não ser tão rigoroso.

    Beijos, amigo!

    Mirze

    ResponderExcluir
  7. Oi , Ivan !
    Passeando achei seu blog.
    Adorei , Te Sigo.

    E que cultivemos os encantos , apesar de , ...

    Bjo.

    ResponderExcluir
  8. Indo direto ao assunto eleições, que é onde realmente me sinto obrigada a escolher algo "inescolhível", eu só tenho um candidato até agora. Pode? Pode, que o país é uma m... mesmo!
    bj.

    ResponderExcluir
  9. Ivan, querido, discordo de você! Realmente, somos obrigados? Até que ponto queremos brigar e fazer prevalecer nossos desejos. Tenho dúvidas...

    Mesmo com as dúvidas o poema é muito bonito!

    beijos!

    ResponderExcluir
  10. A poesia nos salva, Ivan. Mas escolhi votar naquela que não tem a menor chance. Sempre fiz isto. Sou da margem. :) Abraço!

    ResponderExcluir
  11. ...linda poesia!... rondam ,por aí...as obrigações!...escolho algumas!...pra outras dou "tchau"!
    quero enxergar, viver os encantos...e ser feliz!..."deixa(e) que digam...que pensem que falem...!
    bjo
    taniamariza

    ResponderExcluir
  12. concordo que voto obrigatório não é democrático; nos EUA, o voto é facultativo.

    ResponderExcluir
  13. Obrigações: não obrigada!

    Ivan, bem sei que é mais fácil encarneirar e seguir o rebanho dizendo que somos obrigados. Mas é bem mais gratificante fazer escolhas próprias, ainda que contra-corrente. É o nosso livre arbitrio.

    bjos
    MariaIvone

    ResponderExcluir
  14. um banho de água fria em qualquer poetinha por aí. Eu gosto de sua facilidade com as palavras, com a poesia. Acho que é mais que um dom, é um caráter messiânico. parabéns, como sempre.

    ResponderExcluir
  15. Vc conseguiu fazer um poema com um tema nada poético.

    ResponderExcluir
  16. Pois é, o livre arbítrio é sempre tão cheio de reservas... Gostei da elencagem de "reservas", estão cá muitas das que nos tornam menos livres e mais coniventes.

    ResponderExcluir